A anorexia é um distúrbio alimentar que afecta milhões de pessoas em todo o mundo. Esta doença pode ter graves consequências para a saúde física e mental, tornando-a um importante problema de saúde a tratar. Neste contexto, a formação do cérebro pode ser um método eficaz para ajudar as pessoas com anorexia a recuperar e a regressar a uma vida saudável.

O treino do cérebro pode ajudar a desenvolver uma melhor imagem corporal, o que é crucial para as pessoas com anorexia que têm frequentemente uma percepção negativa do seu corpo. Ao desenvolver capacidades cognitivas mais fortes, os pacientes com anorexia podem também ter uma melhor capacidade para resolver problemas relacionados com o seu tratamento, tais como o planeamento de refeições e a adesão a uma dieta saudável.

 

 

Quais são os distúrbios alimentares relacionados com a anorexia?

 

 

Bulimia

Caracteriza-se por episódios recorrentes de comer em excesso, seguidos de comportamentos compensatórios, tais como vómitos ou uso excessivo de laxantes. As pessoas com bulimia podem sentir uma perda de controlo durante episódios de comer em excesso e podem sentir-se envergonhadas ou culpadas depois de comer. Podem também ter uma preocupação excessiva com o seu peso, aparência física e dieta, o que pode levar a restrições alimentares ou comportamentos alimentares compulsivos.

 

 

Transtorno de alimentação excessiva

Também conhecida como “bulimia não comedora”, é um distúrbio alimentar caracterizado por episódios recorrentes e frequentes de alimentação compulsiva sem comportamentos compensatórios inadequados para evitar o aumento de peso. Durante estes episódios, a pessoa afectada consome mais alimentos do que a maioria das pessoas consumiria num período de tempo semelhante e muitas vezes sente-se fora de controlo. Os episódios de comer demais são frequentemente acompanhados de sentimentos de vergonha, culpa e constrangimento.

Porque é que a anorexia é principalmente uma doença feminina?

Pressão social e cultural

As normas sociais e culturais tendem a impor padrões de beleza e peso irrealistas às mulheres, o que pode levar a sentimentos de vergonha e insegurança para algumas mulheres sobre a sua aparência física. Isto pode levar a comportamentos alimentares pouco saudáveis, tais como restrições alimentares excessivas, que são características da anorexia.

Biologia

Algumas investigações sugerem que as hormonas sexuais femininas, tais como estrogénios, podem desempenhar um papel na predisposição das mulheres para a anorexia. Além disso, é possível que as diferenças biológicas entre os sexos afectem a forma como o corpo armazena e queima a gordura. As mulheres tendem a armazenar mais gordura do que os homens e têm um metabolismo mais lento, o que pode tornar mais difícil para elas perder peso. Isto pode levar a sentimentos de frustração e ansiedade acerca do peso, o que pode levar a comportamentos alimentares pouco saudáveis, tais como restrições alimentares excessivas.

 

 

 

História pessoal ou familiar

Uma história familiar de distúrbios alimentares, experiências traumáticas da infância ou uma história de distúrbios do humor podem aumentar o risco de desenvolver um distúrbio alimentar, incluindo a anorexia.

Estigma

Os estereótipos sociais de que as mulheres são mais susceptíveis de ter problemas de peso e de aparência física podem impedir os homens de reconhecerem que têm um distúrbio alimentar ou de procurarem ajuda.

Porque é que se chama anorexia nervosa?

 

 

 

Chama-se anorexia nervosa porque é principalmente um distúrbio alimentar que se manifesta numa obsessão de magreza e num medo intenso de ganhar peso, mesmo quando a pessoa já é muito magra. Esta obsessão pode levar a comportamentos restritivos severos, tais como limitar drasticamente a ingestão de alimentos ou o exercício excessivo, que podem pôr em perigo a saúde física e mental da pessoa afectada.

A anorexia nervosa é, portanto, considerada uma perturbação psiquiátrica porque está associada a perturbações emocionais, cognitivas e comportamentais significativas. Os factores de risco para esta doença são numerosos e podem estar relacionados com problemas pessoais, familiares ou sociais, bem como com pressões culturais para satisfazer padrões estéticos rigorosos. É importante reconhecer os sinais de anorexia nervosa e procurar ajuda o mais rapidamente possível para tratar esta condição complexa e potencialmente ameaçadora de vida.

 

 

 

Quais são os sintomas físicos da anorexia?

 

Perda de peso

mesmo que a pessoa já seja muito magra. Esta perda de peso pode levar ao desperdício de músculos, desidratação, pele seca e baixa pressão arterial.

Anemia

A anemia ocorre quando o nível de eritrócitos no sangue é inferior ao normal, o que pode levar à fadiga, fraqueza, tonturas, palidez e aumento do ritmo cardíaco. As pessoas com anorexia nervosa podem desenvolver uma deficiência de ferro e vitamina B12, ambas essenciais para a produção de glóbulos vermelhos.

 

 

 

Hipoglicémia

Ocorre quando os níveis de glucose no sangue são demasiado baixos, o que pode causar sintomas como tremores, confusão, suor, tonturas e perda de consciência. As pessoas com anorexia nervosa podem sofrer de hipoglicemia devido à falta de glicose no corpo, uma vez que o cérebro e outros órgãos precisam de glicose para funcionar correctamente.

 

 

Insuficiência cardíaca e renal

Podem também ocorrer como resultado de anorexia nervosa. A desnutrição pode enfraquecer o músculo cardíaco, reduzir o volume sanguíneo e causar taquicardia, arritmia e insuficiência cardíaca congestiva. Os rins também podem ser afectados uma vez que dependem de um fluxo de sangue adequado para funcionar.

 

Qual é a ligação entre a anorexia e as perturbações mentais?

 

 

A anorexia nervosa também pode ser uma causa de distúrbios mentais. A desnutrição associada à anorexia nervosa pode prejudicar a função cerebral, o que pode levar a alterações do humor, ansiedade, cognição e outros sintomas psicológicos. As pessoas com anorexia nervosa podem também experimentar distorções da imagem corporal, pensamentos obsessivos sobre a alimentação e o peso, e baixa auto-estima, todos eles associados a distúrbios de humor e ansiedade.

Os factores ambientais podem também contribuir para o desenvolvimento de anorexia nervosa e perturbações mentais relacionadas. As pressões sociais, familiares ou culturais relacionadas com a magreza e a aparência física podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento da anorexia nervosa e das perturbações mentais.

Finalmente, distúrbios alimentares como a anorexia nervosa são frequentemente considerados distúrbios de impulso e controlo, uma vez que as pessoas com estes distúrbios tendem a sentir-se impotentes em relação à sua dieta. Este sentimento de falta de controlo pode também contribuir para o desenvolvimento de perturbações mentais como a ansiedade e a depressão.

Quais são os efeitos da nossa dieta no nosso cérebro?

 

 

Impacto positivo

Os ácidos gordos ómega 3, encontrados em peixes gordos como o salmão e o atum, assim como frutos secos e sementes, são particularmente benéficos para a saúde cerebral. Estes ácidos gordos são constituintes importantes das membranas celulares do cérebro e podem melhorar a memória, concentração e função cognitiva global.

Alimentos ricos em antioxidantes como frutas e vegetais coloridos podem também ter um impacto positivo na saúde cerebral. Os antioxidantes ajudam a proteger as células cerebrais dos danos dos radicais livres, que podem danificar as membranas celulares e os processos bioquímicos.

Impacto negativo

Por outro lado, uma dieta rica em gorduras saturadas, açúcar e sal pode ter um impacto negativo na saúde do cérebro. As dietas ricas em gordura saturada podem levar a uma acumulação de placa nas artérias, reduzindo o fluxo sanguíneo para o cérebro e aumentando o risco de demência e doenças neurodegenerativas.

As dietas ricas em açúcar também podem ter um impacto negativo na função cognitiva, particularmente ao reduzir a concentração e a memória. Foi demonstrado que alguns aditivos alimentares comummente utilizados, tais como corantes e conservantes alimentares, podem ter efeitos negativos no comportamento e função cognitiva em crianças e adultos susceptíveis.

Como é que as pessoas com anorexia obtêm ajuda psicológica?

Terapia individual

Permite à pessoa com anorexia trabalhar com um terapeuta para compreender as raízes do seu distúrbio alimentar, explorar os pensamentos e emoções subjacentes, e desenvolver capacidades para lidar com situações stressantes de uma forma mais saudável. A terapia de grupo proporciona um espaço seguro e de apoio às pessoas com anorexia, onde podem partilhar as suas experiências, lutas e sucessos com outros que compreendem o que estão a passar.

Terapia familiar

É frequentemente recomendado para pessoas mais jovens com anorexia, uma vez que envolve a família no processo de recuperação. Esta terapia ajuda os membros da família a compreender a anorexia e a aprender como podem apoiar o seu ente querido na recuperação. Pode também ajudar a melhorar as relações familiares e a reforçar as capacidades de comunicação.

Quais são os vários suportes cognitivos para as pessoas com anorexia?

Terapia de comportamento dialéctico

A Terapia de Comportamento Dialéctico (DBT) também pode ser útil para pessoas com anorexia. Estas terapias visam ajudar as pessoas a gerir melhor as suas emoções e desenvolver estratégias para lidar com situações difíceis sem recorrer a comportamentos alimentares desordenados.

Terapia Cognitiva Comportamental (CBT)

É uma forma de psicoterapia que se centra nos pensamentos e comportamentos que contribuem para a anorexia. A CBT ajuda as pessoas com anorexia a identificar e alterar os padrões de pensamento negativo que as levam a privar-se de alimentos, bem como a desenvolver competências para lidar com situações que desencadeiam comportamentos alimentares pouco saudáveis

Técnicas de relaxação

Estes incluem respiração profunda e relaxamento muscular progressivo. Estas técnicas podem ajudar a reduzir a ansiedade e o stress associados à anorexia, o que pode melhorar a qualidade de vida das pessoas com anorexia.

 

FERNANDO, um programa de formação cognitiva para apoiar pessoas com anorexia

 

Há muitas maneiras de exercitar a sua memória e funções cognitivas. A utilização de um programa de treino cerebral pode ajudar as pessoas com anorexia a gerir melhor os seus pensamentos e emoções, e a melhorar o seu comportamento alimentar.

O programa de formação cerebral FERNANDO foi concebido especificamente para adultos para manter o cérebro saudável através de exercícios cerebrais divertidos e desafiantes. Tem mais de 30 jogos cognitivos e concentração, foco, reflexos, linguagem e muitas outras funções cognitivas.

treino de memória do treinador cerebral joe

Descarregue FERNANDO, o seu treinador cerebral e desfrute de um teste de 7 dias

Outros artigos que lhe possam interessar: